OS NOVOS MUNDOS DOS ITALIANOS

OS NOVOS MUNDOS DOS ITALIANOS (Voltaire Schilling – Zero Hora, 03/10/1995).

“… ché l’antiquo valore ne gli italici cor’ non è anchor morto.”
Petrarca – Canzoniere, 1336
“… poiché l’antico valore nei cuori del popolo italiano non è ancora spento.”

voltaire

Durante aproximadamente três séculos, do 14 ao 17, os séculos do Renascimento, coube a um conjunto variado, mas genial, de italianos lançarem  as bases do mundo moderno. Sua ilustre ancestralidade romana, seu contato com a cultura grega, a riqueza e a prosperidade de suas cidades-estados, como Veneza, Gênova, Milão, Florença, tornaram possível a conquista de “novos mundos”, expressão aqui usada não apenas para determinar a descoberta de terras ignotas no além-mar, mas também no significado de outros desbravadores nos campos das artes, ofícios e ciências.

Nas letras, esse novo mundo será aberto pelo poeta florentino Dante Alighieri, que versejou, entre 1313 e 1321, uma verdadeira catedral literária inteiramente em italiano, e não em latim, como comumente acontecia: a Divina Comédia. Dante percebeu que o futuro pertencia à língua nacional, definida como “luz nova, sol novo, que surgirá onde o velho irá se por e fará luz aos que vivem nas trevas obscurecidas pelo sol antigo, que não brilha mais para eles”.

Também florentinos foram os Médicis, riquíssima família de banqueiros, responsáveis pela expansão financeira e mercantil da Europa, entre os séculos 14 e 17. Ao inaugurarem agências em quase todas as grandes cidades, impulsionaram o capitalismo –confinado então apenas às comunidades medievais-, tornando-o um sistema crescentemente cosmopolita.

A Leonardo da Vinci, Rafael e Miguelângelo coube desbravarem pela pintura, escultura e arquitetura as complexas possibilidades do humanismo emergente, revolucionando as técnicas da perspectiva e da proporção, com a aplicação, nas obras de arte, de um vastíssimo conhecimento científico e anatômico.

O gênio de Leonardo, não satisfeito, ainda expandiu-se para a concepção de máquinas voadoras, submarinos e carros autopropulsionados e refinados projetos urbanísticos.

Aos marinheiros e célebres almirantes, Cristóvão Colombo, Giovani Caboto e Américo Vespúcio e suas fantásticas viagens transatlânticas, realizadas entre 1492 e 1504, devemos finalmente a chegada ao Novo Mundo tal como é entendido. Local de refúgio de milhões de europeus que partiram do Velho Continente, fugindo da fome e da opressão, para construir uma nova civilização nas terras da promissão.

Com o tratadista e escritor Nicolau Maquiavel, vislumbrou-se a política, não só tornada arte de governar, mas também um continente autônomo, distanciado da moral comum, sujeita a regras, normas e lógicas próprias. Por mais chocante, sob o prisma ético que possa, ainda hoje, nos parecer seu O Príncipe, de 1512, descortinou, para governantes e cidadãos, a “verità effetuale”, a existência do frio, calculista, mas extremamente real do universo do poder.

Na música, esse novo mundo foi construído pelo rompimento com a monocórdia do canto medieval e a crescente aceitação da polifonia de Giovani Pierluigi Palestrina, consagrada na sua Missa do Papa Marcelo, de 1555. Modificação tonal que permitiu que Cláudio Monteverdi inaugurasse um gênero radicalmente novo: a ópera. Ao homenagear Orfeu –o apaixonado inventor da lira e do culto órfico- incluindo de forma articulada a representação, o cenário, a orquestração e o canto lírico, antecipou, já em 1607, o que se tornou hoje o cinema.

Graças a Galileu Galilei, cientista florentino, e a sua pequena luneta, por ele aperfeiçoada em 1609, podemos nos encantar com a vastidão não só de um novo mundo celestial, por ele desanuviado, mas também de um cosmo inteiro. Apoiado em Copérnico, destruiu a concepção de universo fechado, que presidiu a esfera da ciência por 17 séculos, desde os tempos de Ptolomeu. Seu opúsculo O Mensageiro das Estrelas, de 1610, contendo as primeiras observações feitas pelo telescópio, foi o precursor das enviadas pelo super telescópio Huble, que hoje vaga pelos espaços inimagináveis.

Dessa forma, em todos os atuais campos de interesse humano, por detrás deles, sempre existiu a fértil engenhosidade, o acurado senso estético ou a prodigiosa imaginação inventiva de um veneziano, de um genovês, de um florentino, de um romano, de um italiano, enfim, todos tornados “uomini universali”.

Anúncios

Um comentário em “OS NOVOS MUNDOS DOS ITALIANOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s